quarta-feira, 31 de dezembro de 2014

terça-feira, 30 de dezembro de 2014

Moça risonha


Moça risonha,
que ri e sonha.

Mário Quintana

segunda-feira, 29 de dezembro de 2014

Cogito ergo sum


Medito
metafísica
mente
Advirto
destarte
não descarte
Descartes


Sandra Medina Costa

[Imagem Google]

De Pastéis e Gatos


            - Posso trazer um pastel?
            - Não! Claro que não.
            - Então vou trazer um gato!
            - Pare de brincadeira.
            - Por favor, eu quero. Deixe-me trazer uma gatinha, filhotinho, ou pelo menos um pastel!
            - Não! Deixe de gula!
            (...)

            Gula, é verdade. Gula e fome.
            Mesmo que eu não queira, era esse o nome.
            Fome advinda de Natais vazios, porque vazias eram as árvores preparadas por mãozinhas ávidas e inocentes.
            Árvores dão frutos. E as nossas não davam. Não havia os presentes, os nossos tão desejados “frutos”. Havia a fome. De pão, de carinho, de brinquedo, do ritual sacro.

            Houve Natais de pastéis.
            À noite, eu ia pra cozinha com minha mãe (meu pai, àquela altura, provavelmente estaria no quarto dormindo) fazer pastéis.
            E era muito bom. Colocar o recheio, dobrar, amassar as beiradas com as pontinhas dos dedos e depois usar a carretilha com cuidado para cortar, formando uma beiradinha meio que bordada.
            Aprendizagem. Alimento da alma.

            Houve o Natal mágico, o da gatinha Natali.
            Era dia de Natal. Era domingo.
            Acordamos naquele dia sentindo no ar o cheiro do Natal, sabor de alegria que só a gente quando criança sabe o que é. Uma sensação de vida nova.
            Meu pai nos esperava ansioso para nos dar o melhor dos presentes: nossa gatinha dera à luz um lindo filhotinho durante a madrugada, enquanto dormíamos. Era fêmea. Três cores.
            - Linda! – exclamara meu pai – Vai se chamar “Natali”, pois nasceu na noite de Natal.
            Foi ali que aprendi que as coisas na vida têm o sentido que a gente dá para elas.
            Sonhos de uma noite de Natal... Lembranças... E o melhor dos presentes: a vida.
            Natali – presente maior, vida nova, alimento da alma.
            Deus se fez presente.


Sandra Medina Costa

domingo, 28 de dezembro de 2014

Em paz

E só quando
estamos em nós
estamos em paz
mesmo que estejamos a sós

Leminski

sábado, 27 de dezembro de 2014

Pés no chão


Sinto falta de tocar o chão
Com a sola dos meus pés
Mas sonhos não são em vão
Quando crescer de vez
Farei isso num revés


Sandra Medina Costa

[Imagem Google]

sexta-feira, 26 de dezembro de 2014

quinta-feira, 25 de dezembro de 2014

quarta-feira, 24 de dezembro de 2014

Verdades para o Natal


Quando chega o Natal,
só se escuta uma canção:
as suas notas falam de paz
e seu ritmo é de amor.

Porque o mundo espera
um amanhã melhor.
Porque o homem acredita
na mão de Deus.

Quando Deus veio ao mundo,
a pobreza foi seu pão,
a humildade foi seu poder
e o amor, a sua verdade.
Quando o homem pensa em Deus,
nascem sonhos de bondade
e renasce a esperança
da felicidade.

Porque o mundo espera
um amanhã melhor.
Porque o homem acredita

na mão de Deus.

Sim. Todos os poemas são de amor...


sábado, 20 de dezembro de 2014

Da janela lateral


"Da janela lateral
Do quarto de dormir"
Vejo lá no céu
Um sinal de glória...

Sandra Medina Costa

Céu da tarde


Céu da tarde calma
Sábado de paz


Sandra Medina Costa

quarta-feira, 17 de dezembro de 2014

Natal


Advento.
Advir.

            Há de vir
            o vento sagrado
            pelo Espírito Santo soprado –
suave brisa
de amor e vida.

Basta fechar os olhos
e sentir...
Ele – nosso Deus,
            há de vir!

Pelas janelas da alma,
o cristão
            há de ver,
            há de sentir
                        a contemplação
                        no olhar do outro
                        o irmão.

O irmão
            ad junto
O irmão
            ad vento
O irmão
            ad verbo
a se fazer carne
e habitar entre nós.

Milagre?
Abre tua janela,
vê o vento que sopra lá fora
e, humilde, implora
a Deus Pai que cure teus olhos agora.
E o milagre acontece!
Já é, então, Natal.


Sandra Medina Costa

terça-feira, 16 de dezembro de 2014

segunda-feira, 15 de dezembro de 2014

sábado, 13 de dezembro de 2014

Aos poucos


Aos poucos
A parede se ilumina
Ouvidos moucos
Estrela-menina
Natal que vem


Sandra Medina Costa

quinta-feira, 11 de dezembro de 2014

No detalhe


No detalhe
Da árvore de Natal
Verde e prata
Presente vazio


Sandra Medina Costa

quarta-feira, 10 de dezembro de 2014

terça-feira, 9 de dezembro de 2014

domingo, 7 de dezembro de 2014

sábado, 6 de dezembro de 2014

sexta-feira, 5 de dezembro de 2014

SE...


Se você,
ao voltar ao passado,
recordar-se do ritual lá de casa:
            A procura de um bom galho seco,
            Cobrir de algodão cada galhinho,
            Pendurar com cuidado as bolas de vidro e o papai Noel,
            e, para finalizar, jogar as estrelinhas brilhantes e coloridas
            sobre a árvore enfeitada,
e essa lembrança emocionar você...

Se,
            Ao contemplar seus filhos,
            netos ou qualquer criança um dia amada,
            e isso lhe trouxer a lembrança
            da criança adormecida dentro de você,
e isso transportar você para um saudoso tempo de pureza e inocência...

Se você,
            Com a bênção do Espírito Santo,
            Ainda ora a Deus
            Pedindo por cada um de nós
            E pela harmonia e equilíbrio em nossa família,
então ainda existe uma esperança
de acreditarmos na importância
do Menino Jesus,
no brilho da estrela cadente,
anunciando sua Luz,
            no Papai Noel que sonhamos,
            esperamos
            e que agora somos.

É hora de preparar
A festa no interior de si mesmo.
            Deus aí está,
            Esperando a porta se abrir,
            Pois Ele é o convidado de honra
            para a festa de si mesmo – seu Filho Jesus.


Sandra Medina Costa

[Imagem: www.reflejosdeluz.net]

quinta-feira, 4 de dezembro de 2014

quarta-feira, 3 de dezembro de 2014

terça-feira, 2 de dezembro de 2014

segunda-feira, 1 de dezembro de 2014

A Oração de DEZEMBRO


Senhor Deus, humano verdadeiro, encarnado no seio puríssimo de Maria, celebramos com alegria vosso advento e nos preparamos para viver mais um Natal. Olhamos ao redor de nós e vemos todas as dificuldades de nossas famílias. Vemos a perda dos valores fundamentais do amor conjugal e familiar e sofremos com o egoísmo e as infidelidades que destroem tantos lares. Pedimos que Maria, a Imaculada Conceição, ajude especialmente os casais a renovar seu SIM de amor. Recorremos também à Virgem de Guadalupe para que, como Mãe e Padroeira da América Latina, ajude nossos povos a vencer as opressões, desigualdades, violências e injustiças constantes entre nós. Que vosso Natal nos renove e nos traga a graça de uma verdadeira conversão, para que corramos, com fidelidade e perseverança, no caminho da santidade. Amém.


Frei Anacleto Luiz Gapski, OFM - Folhinha do Sagrado Coração de Jesus

domingo, 30 de novembro de 2014

Na casca do caranguejo


Na casca
do caranguejo
me escondo.
Não me vejo.
No solfejo
de um beijo
correspondo
num lampejo.
Volto, então, para as pedras
do mar que me espera.

Sandra Medina Costa

[Imagem Google]

sábado, 29 de novembro de 2014

sexta-feira, 28 de novembro de 2014

terça-feira, 25 de novembro de 2014

domingo, 23 de novembro de 2014

sábado, 22 de novembro de 2014

Risco


Não se arrisque a confundir
traço com risco.
O traço
é frio, estático,
objetivo, problemático...
Pode até ser “marido da traça”!
Só corrói, consome, destrói.
Quer coisa mais sem graça?

Veja o que se pode
do traço tirar:
traçar metas
                objetivos
                        planos
                                retas
Traçar implica percorrer
um caminho predeterminado:
sai-se daqui,
vai-se até o outro lado.

O risco?
Ahhh! O risco não!
Ele é totalmente diferente,
Subjetivo... cada um faz
como quiser e sente.
O risco permite sonhar,
alçar outros voos;
não é uma linha reta, predefinida;
deixa a gente pensar a vida.

Do risco se tira
Arriscar!
Ideia que lembra
ousar, sonhar, criar.

O risco, tal qual um ponto
(ou pingo de j ou i)
não se limita a si.
O risco é irreverente,
inconstante como ele só!
(Já o percebeu nos quadros de Miró?)
O risco, assim, amiúde,
Por vezes até esquisito,
É vida em plenitude
Conduzindo ao infinito.


Sandra Medina Costa

[Obra: Joan Miró]

sexta-feira, 21 de novembro de 2014

terça-feira, 18 de novembro de 2014

segunda-feira, 17 de novembro de 2014

Eis o Mistério...


Fazer-se de forte, quando se está fraco.
Mostrar-se com vida, quando se está à morte.
Parecer alegre, quando a vontade é diluir-se em pranto.

            Eis o mistério da dor...
            Eis o mistério da fé...
            Eis o mistério do amor...


Sandra Medina Costa

sábado, 15 de novembro de 2014

sexta-feira, 14 de novembro de 2014

quarta-feira, 12 de novembro de 2014

terça-feira, 11 de novembro de 2014

segunda-feira, 10 de novembro de 2014

sábado, 8 de novembro de 2014

Relâmpagos


Relâmpagos,
límpidas luzinhas
luzidias,
reluzentes.
Lâmpadas do céu
que reluzem de repente,
acendem-apagam-acendem-apagam,
fazem barulho,
estremecem o coração da gente.

Relâmpagos.
Gotinhas de chuva
na minha janela.
Clarão de corisco
que vejo por ela.
O trovão soa longe...
Não tenho mais medo!
É a força de Deus!
já sei o segredo.


Sandra Medina Costa

[Imagem Google]

quinta-feira, 6 de novembro de 2014

quarta-feira, 5 de novembro de 2014