domingo, 30 de novembro de 2014

Na casca do caranguejo


Na casca
do caranguejo
me escondo.
Não me vejo.
No solfejo
de um beijo
correspondo
num lampejo.
Volto, então, para as pedras
do mar que me espera.

Sandra Medina Costa

[Imagem Google]

sábado, 29 de novembro de 2014

sexta-feira, 28 de novembro de 2014

terça-feira, 25 de novembro de 2014

domingo, 23 de novembro de 2014

sábado, 22 de novembro de 2014

Risco


Não se arrisque a confundir
traço com risco.
O traço
é frio, estático,
objetivo, problemático...
Pode até ser “marido da traça”!
Só corrói, consome, destrói.
Quer coisa mais sem graça?

Veja o que se pode
do traço tirar:
traçar metas
                objetivos
                        planos
                                retas
Traçar implica percorrer
um caminho predeterminado:
sai-se daqui,
vai-se até o outro lado.

O risco?
Ahhh! O risco não!
Ele é totalmente diferente,
Subjetivo... cada um faz
como quiser e sente.
O risco permite sonhar,
alçar outros voos;
não é uma linha reta, predefinida;
deixa a gente pensar a vida.

Do risco se tira
Arriscar!
Ideia que lembra
ousar, sonhar, criar.

O risco, tal qual um ponto
(ou pingo de j ou i)
não se limita a si.
O risco é irreverente,
inconstante como ele só!
(Já o percebeu nos quadros de Miró?)
O risco, assim, amiúde,
Por vezes até esquisito,
É vida em plenitude
Conduzindo ao infinito.


Sandra Medina Costa

[Obra: Joan Miró]

sexta-feira, 21 de novembro de 2014

terça-feira, 18 de novembro de 2014

segunda-feira, 17 de novembro de 2014

Eis o Mistério...


Fazer-se de forte, quando se está fraco.
Mostrar-se com vida, quando se está à morte.
Parecer alegre, quando a vontade é diluir-se em pranto.

            Eis o mistério da dor...
            Eis o mistério da fé...
            Eis o mistério do amor...


Sandra Medina Costa

sábado, 15 de novembro de 2014

sexta-feira, 14 de novembro de 2014

quarta-feira, 12 de novembro de 2014

terça-feira, 11 de novembro de 2014

segunda-feira, 10 de novembro de 2014

sábado, 8 de novembro de 2014

Relâmpagos


Relâmpagos,
límpidas luzinhas
luzidias,
reluzentes.
Lâmpadas do céu
que reluzem de repente,
acendem-apagam-acendem-apagam,
fazem barulho,
estremecem o coração da gente.

Relâmpagos.
Gotinhas de chuva
na minha janela.
Clarão de corisco
que vejo por ela.
O trovão soa longe...
Não tenho mais medo!
É a força de Deus!
já sei o segredo.


Sandra Medina Costa

[Imagem Google]

quinta-feira, 6 de novembro de 2014

quarta-feira, 5 de novembro de 2014

terça-feira, 4 de novembro de 2014

segunda-feira, 3 de novembro de 2014

Não há mais barreiras


Permita-se, Sandra.
A lua que nasce
amarela lá fora
já se mostra inteira,
radiante, bela,
e sobre o céu, confiante.
Avante!
Permita-se, Sandra,
ser como ela.
Já não precisa ter medo,
não existe mais segredo
no escuro firmamento.
Erga o seu rosto agora
e veja quantas estrelas
esperam, piscando ansiosas,
pela chegada da lua
que nasce amarela lá fora.


Sandra Medina Costa

sábado, 1 de novembro de 2014

01 de novembro


A oração de NOVEMBRO


Todos os Santos de Deus, vinde em nosso auxílio! Todos os fiéis falecidos tragam a certeza e esperança de que um dia veremos Deus em sua glória! Santo Alberto Magno iluminai as buscas espirituais de hoje numa coexistência harmoniosa entre ciência e religião. Santa Cecília, padroeira dos músicos, inspirai aqueles que tocam e cantam em nossas celebrações, para que seu talento e voz sejam somente para os louvores do Deus Altíssimo. Santo André Apóstolo, primeiro discípulo de Jesus, ensinai o seguimento apaixonado do Senhor. E na conclusão do nosso Ano Litúrgico, que toda língua proclame que Ele é o Senhor e Rei de nossos corações! Amém!

(Frei Vitório Mazzuco, OFM - Petrópolis/RJ - Folhinha do Sagrado Coração de Jesus)