sexta-feira, 31 de outubro de 2014

quinta-feira, 30 de outubro de 2014

terça-feira, 28 de outubro de 2014

segunda-feira, 27 de outubro de 2014

A menina feliz


            Já era de tardezinha e parecia que ia chover.
       Carolina estava demorando a trazer o leite que sua mãe havia pedido para ela comprar. E a mãe já estava muito preocupada pensando:

“Cadê a minha menina?
Onde está Carolina?
A chuva já vai cair,
os relâmpagos clareiam o céu...
“Cadê a minha menina?
Onde está Carolina?

           A mãe, no portão, avistou ao longe na estrada sua filhinha amada, que vinha pelo caminho, tranquila e sorridente. Às vezes ela parava, olhava para o céu e sorria e caminhava... parava, olhava para o céu e sorria e caminhava... E foi assim, a cada relâmpago, a menina parava, olhava para o céu e sorria e caminhava...
            Ao chegar levou uma bronca danada de sua mãe porque demorara demais.
            Mas Carolina, corajosa menina, dizia feliz pra si mesma:


Relâmpago.
Raio.
Corisco.
Eu sozinha.
Relâmpago,
clarão no céu?
Sorrio. Sou aquela menininha:
É Deus tirando foto minha!

 Sandra Medina Costa

sábado, 25 de outubro de 2014

sexta-feira, 24 de outubro de 2014

quinta-feira, 23 de outubro de 2014

quarta-feira, 22 de outubro de 2014

terça-feira, 21 de outubro de 2014

segunda-feira, 20 de outubro de 2014

Quanto eu valho?


Meu valor é alto!
Incalculável preço aos olhos de Deus,
agora também aos olhos meus.
Pois a qualquer sobressalto,
risco, perigo, temor,
meu Jesus me acolhe com amor.

Me vejo protagonista
de uma história verdadeira,
construída de forma altaneira,
honrada e altruísta.
Quem me criticou, entristeceu, debochou,
a meu favor trabalhou.

Há tempos fui comparada
a uma pedra preciosa –
pedra bruta,
mas valiosa,
que precisava ser lapidada.
Me esforcei, apesar dos golpes
que agrediram a autoestima.
Mas sou Sandra,
sou Costa e Medina.
A alma exposta ao adverso
tem suportado calada
os atritos da vida
para ficar mais brilhante.
Afinal...
são eternos os diamantes.


Sandra Medina Costa

domingo, 19 de outubro de 2014

sábado, 18 de outubro de 2014

quinta-feira, 16 de outubro de 2014

Quarador


Quarador.
Coradouro.
Estendal.
- Põe a roupa pra quarar!
Sabão de barra
amarelado
(não havia sabão em pó).
Roupas brancas ensaboadas.
O sol quente a incidir sobre elas.
Roupas a quarar.
Roupas a branquear.
- Joga água! Não deixa a roupa secar, senão mancha!
O sol quente.
A água sobre a roupa.
O brilho do branco.
O milagre acontecendo.
Quarador.
Coradouro.
Estendal.
Roupas brancas no varal...


Sandra Medina Costa

Dia de Santa Edwiges


quarta-feira, 15 de outubro de 2014

terça-feira, 14 de outubro de 2014

segunda-feira, 13 de outubro de 2014

O ESQUILO


- O que é aquilo?
Será um macaco?
- Será um grilo?
O que é aquilo?

- Já sei o que é aquilo
que está nos galhinhos a pular.
É um pequeno e lindo esquilo
que veio nos visitar!

E o esquilinho sapeca
pegava amoras no alto,
cheirava as mangas e as romãs
e, de repente, novo salto.

- Tenho medo, Vovó Sônia!
Choramingavam a Júlia e a Beatriz.
Ao mesmo tempo, corriam para vê-lo.
Foi um domingo feliz!


Sandra Medina Costa

sexta-feira, 10 de outubro de 2014

quinta-feira, 9 de outubro de 2014

quarta-feira, 8 de outubro de 2014

terça-feira, 7 de outubro de 2014

Artur Dido e Sônia Dora


            Era uma vez um jovem chamado Artur Dido. Era uma boa pessoa, muito simples e brincalhão. Mas de uns tempos para cá andava meio triste, pois o grande amor da sua vida, a Sônia Dora, terminara o namoro.
        Sônia Dora, além de bela e sensível, era muito distraída. Costumava trocar as palavras meio assim... sem querer.
            Imaginem vocês que ela resolveu comprar uma cama nova. Tão logo o fez, correu até o Artur Dido e lascou:
            - Amor, comprei uma cama nova, madeira linda, forte, cama de curupira!
         - Sei, querida, imagino que os pés de sua cama sejam, então, virados para trás! Rsrsrsrsrsrsrs... É sucupira, meu bem, su-cu-pi-ra!
            Fim do namoro! Sônia Dora não gostou da brincadeira.
            Artur Dido ficou atordoado e muito triste.
           Era verão e, todos os dias, ele ia a pé para o trabalho, caminhando lentamente pelas ruas do Eldorado, onde também morava. Ficava pensando, tentando encontrar um jeito de conseguir o perdão de sua amada. E teve uma ideia supimpa!
            “Já sei! Vou dar a ela um presente: uma piscina inflável! Daí a gente aproveita para se refrescar um pouco nestes dias tão quentes!”
            Dito e feito.
           Artur Dido foi até a casa da Sônia Dora, pediu perdão e lhe entregou o presente. Ela, emocionada, disse-lhe:
            - Oh, meu amor, uma piscina inflamável! Só para mim!
            Fim do namoro. Desta vez foi o Artur que não quis mais saber do namoro.
            “Imagina se ela resolve pôr fogo no presente! Inflamável?! Ora bolas!!!”


Sandra Medina Costa

segunda-feira, 6 de outubro de 2014

domingo, 5 de outubro de 2014

sexta-feira, 3 de outubro de 2014

Conjunto vazio


            Luquinha chegara afoito da escola: aprendera coisas novas na aula de Matemática, sua matéria preferida.
            - Mãe, mãe, quero fazer já o Para Casa!
            - Calma, Luquinha, descanse um pouco primeiro, meu filho! – recomendou sua mãe.
            O menino tomou rápido o seu banho, saboreou um delicioso lanche que sua mãe lhe havia preparado e zás! correu para os estudos. A mãe acompanhava tudo com atenção.
            - Vamos, filho, dê um exemplo de conjunto infinito.
            - As estrelas do céu! respondeu imediatamente e escreveu no caderno.
            - Agora, exemplo de conjunto unitário...
            - Hmmmmm... o sol! – gritou feliz e, além de escrever, fez uma bela ilustração no caderno.
            - Exemplo de conjunto vazio. Escreva.
            Luquinha pensou... pensou... pensou... e, olhando para a mãe, já orgulhoso da descoberta, lascou a resposta:
            - Conjunto de dentes da boca da Vovó!
            (...) Silêncio geral. “Céus! Se a avó ouvisse aquilo?!” – pensava a mãe já preocupada.
            Que nada! Quando soube daquela resposta, a Vovó caiu na gargalhada!


Sandra Medina Costa

quinta-feira, 2 de outubro de 2014

quarta-feira, 1 de outubro de 2014

A oração de OUTUBRO


Senhor, em outubro, mês das Missões, queremos realizar a nossa missão de "fazer discípulos seus todos os povos" e ouvir Nossa Senhora do Rosário que nos convida a rezar muito, especialmente o terço, e refletir sobre os mistérios da nossa salvação. Com Santa Teresinha e os Anjos da Guarda, voltamos a ser crianças e nos confiamos nas mãos do Pai. Com Francisco de Assis queremos ser menores e espalhar uma mensagem de Paz e Bem. A Nossa Senhora Aparecida, Padroeira do Brasil, e Frei Galvão, o primeiro santo brasileiro, elevamos uma prece por nossa pátria, seu povo e seus governantes. Aos cuidados de São Lucas entregamos nosso sistema de Saúde Pública. A Santa Edwiges e São Tadeu pedimos pelos mais desesperados e empobrecidos. A todos pedimos: rogai por nós! Amém!

(Frei Anacleto Luiz Gapski, OFM - Folhinha do Sagrado Coração de Jesus)
Imagem: reflejosdeluz.net