quarta-feira, 22 de dezembro de 2010

O Arroz de Palma


Esta é uma boa receita de reflexão para a época que estamos,véspera de Natal...
Família é prato difícil de preparar , mas devemos tentar mesmo assim...

"O Arroz de Palma”
de Francisco Azevedo

Família é prato difícil de preparar. São muitos ingredientes.
Reunir todos é um problema, principalmente no Natal e no Ano Novo.
Pouco importa a qualidade da panela, fazer uma família exige coragem, devoção e paciência.
Não é para qualquer um.
Os truques, os segredos, o imprevisível. Às vezes, dá até vontade de desistir.
Preferimos o desconforto do estômago vazio.
Vêm a preguiça, a conhecida falta de imaginação sobre o que se vai comer e aquele fastio.
Mas a vida, (azeitona verde no palito) sempre arruma um jeito de nos entusiasmar e abrir o apetite.
O tempo põe a mesa, determina o número de cadeiras e os lugares.
Súbito, feito milagre, a família está servida.
Fulana sai a mais inteligente de todas.
Beltrano veio no ponto, é o mais brincalhão e comunicativo, unanimidade.
Sicrano, quem diria? Solou, endureceu, murchou antes do tempo.
Este é o mais gordo, generoso, farto, abundante.
Aquele o que surpreendeu e foi morar longe.
Ela, a mais apaixonada. A outra, a mais consistente
E você? É, você mesmo, que me lê os pensamentos e veio aqui me fazer companhia.
Como saiu no álbum de retratos? O mais prático e objetivo? A mais sentimental? A mais prestativa?
O que nunca quis nada com o trabalho?
Seja quem for, não fique aí reclamando do gênero e do grau comparativo.
Reúna essas tantas afinidades e antipatias que fazem parte da sua vida.
Não há pressa. Eu espero.
Já estão aí? Todas? Ótimo. Agora, ponha o avental, pegue a tábua, a faca mais afiada e tome alguns cuidados.
Logo, logo, você também estará cheirando a alho e cebola.
Não se envergonhe de chorar. Família é prato que emociona.
E a gente chora mesmo. De alegria, de raiva ou de tristeza.
Primeiro cuidado: temperos exóticos alteram o sabor do parentesco.
Mas, se misturadas com delicadeza, estas especiarias, que quase sempre vêm da África e do Oriente e nos parecem estranhas ao paladar tornam a família muito mais colorida, interessante e saborosa.
Atenção também com os pesos e as medidas.
Uma pitada a mais disso ou daquilo e, pronto, é um verdadeiro desastre.
Família é prato extremamente sensível. Tudo tem de ser muito bem pesado, muito bem medido.
Outra coisa: é preciso ter boa mão, ser profissional. Principalmente na hora que se decide meter a colher.
Saber meter a colher é verdadeira arte.
Uma grande amiga minha desandou a receita de toda a família, só porque meteu a colher na hora errada.
O pior é que ainda tem gente que acredita na receita da família perfeita. Bobagem. Tudo ilusão. Não existe “Família à Oswaldo Aranha”, “ Família à Rossini”, Família à “Belle Meunière” ou “Família ao Molho Pardo” em que o sangue é fundamental para o preparo da iguaria.
Família é afinidade, é “à Moda da Casa”.
E cada casa gosta de preparar a família a seu jeito
Há famílias doces. Outras, meio amargas. Outras apimentadíssimas.
Há também as que não têm gosto de nada, seriam assim um tipo de “Família Diet”, que você suporta só para manter a linha.
Seja como for, família é prato que deve ser servido sempre quente, quentíssimo.
Uma família fria é insuportável, impossível de se engolir.
Enfim, receita de família não se copia, se inventa.
A gente vai aprendendo aos poucos, improvisando e transmitindo o que sabe no dia- a -dia.
A gente cata um registro ali, de alguém que sabe e conta, e outro aqui, que ficou no pedaço de papel.
Muita coisa se perde na lembrança, principalmente na cabeça de um velho já meio caduco como eu.
O que este veterano cozinheiro pode dizer é que, por mais sem graça, por pior que seja o paladar, família é prato que você tem que experimentar e comer.
Se puder saborear, saboreie. Não ligue para etiquetas.
Passe o pão naquele molhinho que ficou na porcelana, na louça, no alumínio ou no barro.
Aproveitem ao máximo,pois Família é prato que, quando se acaba, nunca mais se repete.

Como sou feliz de ter a idade que tenho e de ver minha família unida, cada uma com sua diversidade.
"Se tivéssemos consciência do quanto nossa vida é passageira, talvez pensássemos duas vezes antes de jogar fora as oportunidades que temos de ser e de fazer os outros felizes, principalmente em família."

[imagem da web]

quarta-feira, 1 de dezembro de 2010

Advento e chuva


Chove.
Mas o sol
Está no alto a brilhar
No afã
De ver meu sorriso.
Mais uma vez é Natal
Nos olhos que me olham
Aflitos,
Solícitos
Pela palavra que alivia
A alma.
No tempo da espera
A feliz chuva suaviza a terra...
E a magnólia florida
Do outro lado da rua
Exala o perfume
Que me convida
A sorrir de novo.
É Natal.

Sandra Medina Costa
[imagem da web]

domingo, 28 de novembro de 2010

Sementes de Verdade


Não há luz que não espante a treva
Não há sorriso que não ilumine um semblante
Não há riso que não sane o mau humor
Não há amor que não desfaça o ódio
Não há perdão que não traga a cura
Não há humildade que não rebaixe o orgulho
Não há simplicidade que não enrugue a vaidade
Não há beleza interior que não nuble a beleza externa
Não há tolerância que não vença a ignorância
Não há persistência que não atinja um objetivo
Não há calma que não inferiorize a ira
Não há paciência que não dissolva a ansiedade
Não há coragem que não dissolva o medo
Não há serenidade que não desarme a agressão
Não há desprendimento que não ridicularize a avareza
Não há ambição bem dosada que não humilhe a ganância
Não há fé que não vença a rebeldia
Não há rendição que não cesse a guerra
Não há silêncio que não quebre a exaltação
Não há compreensão que não incomode o erro
Não há verdade que não derrube a mentira
Há olhos que observam os meus atos e também os teus:
não há atos que não sejam vistos
nem há pensamentos que não cheguem a Deus

Autora Silvia Schimdt

[imagem da web]

domingo, 21 de novembro de 2010

Com licença poética


Adélia Prado

Quando nasci um anjo esbelto,
desses que tocam trombeta, anunciou:
vai carregar bandeira.
Cargo muito pesado pra mulher,
esta espécie ainda envergonhada.
Aceito os subterfúgios que me cabem,
sem precisar mentir.
Não sou tão feia que não possa casar,
acho o Rio de Janeiro uma beleza e
ora sim, ora não, creio em parto sem dor.
Mas o que sinto escrevo. Cumpro a sina.
Inauguro linhagens, fundo reinos
- dor não é amargura.
Minha tristeza não tem pedigree,
já a minha vontade da alegria,
sua raiz vai ao meu mil avô.
Vai ser coxo na vida é maldição pra homem.
Mulher é desdobrável. Eu sou

[imagem da web]

terça-feira, 2 de novembro de 2010

Confie!


Confie em DEUS! Acredite! No plano divino tudo já deu certo e tudo acontece num ritmo perfeito! Deus sempre esteve certo! Nunca se adianta... nunca se atrasa: chega sempre na hora certa! O último minuto é sempre DELE...
"Eu te agradeço, meu Pai, pois sei que tens todas as soluções para as inquietações do dia a dia. Amém!"

[imagem da web]

quarta-feira, 20 de outubro de 2010

terça-feira, 5 de outubro de 2010

Jabuticabeira


Aos seus pés
Me vi criança
Recebia nas mãos
A doce lembrança
Sob a forma das frutinhas
Redondas
Pretinhas
As maiores
Só minhas
E meu irmão
Então
Mais velho
A inspirar cuidados
A cuidar de mim.
Infância
Perdida outrora
Renasce agora
Perfume de jasmim.

Sandra Medina Costa

[imagem da web]

sábado, 2 de outubro de 2010

Poeminha de Rückert


Nossos dias são preciosos
mas com alegria os vemos passando
se no seu lugar encontramos
uma coisa mais preciosa crescendo:
uma planta rara e exótica,
deleite de um coração jardineiro,
uma criança que estamos ensinando,
um livrinho que estamos escrevendo.

Rückert

[imagem da web]

quarta-feira, 29 de setembro de 2010

Meu primeiro livro


Oi, amigos!
Finalmente o meu primeiro livro saiu! E é um E-BOOK! Publicado pela Freitas Bastos Editora. www.freitasbastos.com.br - Está na seção de Contos de E-Books.
Vamos lá!!! Compartilhem de minha alegria!!!

Súplicas ardentes aos Santos Anjos


Deus Uno e Trino, Onipotente e Eterno!
Antes de recorrermos aos Vossos servos, os Santos Anjos, prostramo-nos na Vossa presença e Vos adoramos: Pai, Filho e Espírito Santo.
-Bendito e louvado sejais por toda a eternidade!
Deus Santo, Deus Forte, Deus Imortal, que tudo quanto por Vós foi criado Vos adore, Vos ame e permaneça no Vosso serviço!
E Vós, Maria, Rainha de todos os Anjos, aceitai benignamente as súplicas que dirigimos aos Vossos servos, apresentai-as ao Altíssimo – Vós que sois medianeira de todas as graças e a onipotência suplicante – a fim de obtermos graças, salvação e auxílio. Amém.

Sacratíssimo Coração de Jesus, guardai e defendei a minha alma e as da minha família!
Sacratíssimo Coração de Jesus, guardai e defendei a minha alma e as da minha família!
Sacratíssimo Coração de Jesus, guardai e defendei a minha alma e as da minha família!

Poderosos Santos Anjos, que por Deus nos fostes concedidos para nossa proteção e auxílio, em Nome da Santíssima Trindade nós vos suplicamos:
-Vinde depressa, socorrei-nos!
Nós vos suplicamos em Nome do Preciosíssimo Sangue de Nosso Senhor Jesus Cristo:
-Vinde depressa, socorrei-nos!
Nós vos suplicamos pelo poderosíssimo Nome de Jesus;
-Vinde depressa, socorrei-nos!
Nós vos suplicamos por todas as Chagas de Nosso Senhor Jesus Cristo:
-Vinde depressa, socorrei-nos!
Nós vos suplicamos por todos os martírios de Nosso Senhor Jesus Cristo:
-Vinde depressa, socorrei-nos!
Nós vos suplicamos pela Palavra Santa de Deus:
-Vinde depressa, socorrei-nos!
Nós vos suplicamos pelo Coração de Nosso Senhor Jesus Cristo:
-Vinde depressa, socorrei-nos!
Nós vos suplicamos em nome do amor que Deus tem por nós, pobres:
-Vinde depressa, socorrei-nos!
Nós vos suplicamos em nome da fidelidade de Deus por nós, pobres:
-Vinde depressa, socorrei-nos!
Nós vos suplicamos em nome da misericórdia de Deus por nós, pobres:
-Vinde depressa, socorrei-nos!
Nós vos suplicamos em nome de Maria, Mãe de Deus e nossa Mãe:
-Vinde depressa, socorrei-nos!
Nós vos suplicamos em nome de Maria Rainha do Céu e da Terra:
-Vinde depressa, socorrei-nos!
Nós vos suplicamos em nome de Maria, vossa Rainha e Senhora:
-Vinde depressa, socorrei-nos!
Nós vos suplicamos pela vossa própria bem-aventurança:
-Vinde depressa, socorrei-nos!
Nós vos suplicamos pela vossa própria fidelidade
-Vinde depressa, socorrei-nos!
Nós vos suplicamos pela vossa luta na defesa do Reino de Deus:
-Vinde depressa, socorrei-nos!
Nós vos suplicamos:
-Protegei-nos com o vosso escudo!
Nós vos suplicamos
-Iluminai-nos com a vossa luz!
Nós vos suplicamos:
-Salvai-nos sob o manto protetor de Maria!
Nós vos suplicamos:
-Guardai-nos no coração de Maria!
Nós vos suplicamos:
-Confiai-nos às mãos de Maria!
Nós vos suplicamos:
-Mostrai-nos o caminho que conduz à porta da vida: o coração aberto de Nosso Senhor!
Nós vos suplicamos:
-Guiai-nos com segurança à casa do Pai Celestial:
Todos vós, nove coros dos espíritos bem-aventurados:
-Vinde depressa, socorrei-nos!
Anjos da vida:
-Vinde depressa, socorrei-nos!
Anjos do Verbo de Deus:
-Vinde depressa, socorrei-nos!
Anjos do amor:
-Vinde depressa, socorrei-nos!
Nossos companheiros especiais e enviados por Deus:
-Vinde depressa, socorrei-nos!
Insistentemente vos suplicamos:
-Vinde depressa, socorrei-nos!
Porque o Sangue Preciosíssimo de Nosso Senhor e Rei clama que venhais em auxilio a nós, pobres:
-Insistentemente suplicamos: vinde depressa, socorrei-nos!
Porque o Coração de Nosso Senhor e Rei clama que venhais em auxilio a nós, pobres:
-Insistentemente suplicamos: vinde depressa, socorrei-nos!
Porque o Coração Imaculado de Maria, Virgem Puríssima e Vossa Rainha, clama que venhais em auxilio a nós, pobres;
-insistentemente suplicamos: vinde depressa, socorrei-nos!

São Miguel Arcanjo:
Vós, príncipe dos exércitos celestes, vencedor do dragão infernal, recebestes de Deus força e poder para aniquilar, pela humanidade, a soberba do príncipe das trevas.
Insistentemente vos suplicamos que nos alcanceis de Deus a verdadeira humildade de coração, uma fidelidade inabalável no cumprimento contínuo da vontade de Deus e uma grande fortaleza no sofrimento e na penúria. Ao comparecermos perante o tribunal de Deus socorrei-nos para que não desfaleçamos!

São Gabriel Arcanjo:
Vós, anjo da encarnação, mensageiro fiel de Deus, abri os nossos ouvidos para que possam captar até as mais suaves sugestões e apelos de graça emanados do Coração amabilíssimo de Nosso Senhor. Nós vos pedimos que fiqueis sempre junto de nós para que, compreendendo bem a Palavra de Deus e Suas inspirações, saibamos obedecer-lhe, cumprindo docilmente aquilo que Deus quer de nós. Fazei que estejamos sempre disponíveis e vigilantes. Que o Senhor, quando vier, não nos encontre dormindo!

São Rafael Arcanjo:
Vós que sois lança e bálsamo do amor divino, feri o nosso coração e depositai nele um amor ardente a Deus. Que a ferida não se apague nele para que nos faça perseverar todos os dias no caminho da caridade e do amor. Que tudo vençamos pelo amor!

Anjos poderosos:
E nossos irmãos santos que servis diante do Trono de Deus, vinde em nosso auxílio!
Defendei-nos de nós próprios, da nossa covardia e tibieza, do nosso egoísmo e ambição, da nossa inveja e falta de confiança, da nossa avidez na busca da abundância, do bem-estar e da estima pública!
Desatai em nós as algemas do pecado e do apego às coisas terrenas. Tirai dos nossos olhos as vendas que nós mesmos lhes pusemos e que nos impedem de ver as necessidades do nosso próximo e a miséria do nosso ambiente porque nos fechamos numa mórbida complacência de nós mesmos!
Cravai no nosso coração o aguilhão da santa ansiedade por Deus para que não cessemos de procurá-lO com ardor, contrição e amor!
Contemplai em nós o Sangue do Senhor, derramado por nossa causa!
Contemplai em nós as lágrimas de Vossa Rainha, choradas por nossa causa!
Contemplai em nós a pobre, desbotada e arruinada imagem de Deus, comparando-a com a imagem íntegra que Deus, no princípio, por amor, imprimiu na nossa alma!
Auxiliai-nos na luta contra o poder das trevas que, disfarçadamente, nos envolve e aflige!
Auxiliai-nos para que nenhum de nós se perca, permitindo assim que um dia nos reunamos todos, jubilosamente, na eterna bem-aventurança! Amém.

São Miguel, assisti-nos com vossos santos anjos:
-Ajudai-nos e rogai por nós!
São Rafael, assisti-os com vossos santos anjos
-Ajudai-nos e rogai por nós!
São Gabriel, assisti-nos com vossos santos anjos:
-Ajudai-nos e rogai por nós.
Amém.

sábado, 4 de setembro de 2010

O chamado


"Morrer pela fé é uma graça para alguns; viver pela fé é um chamado para todos."

Papa João Paulo II
[imagem reflejosdeluz.net]

domingo, 4 de julho de 2010

Festa para Imaculada


Confessamos a Santo Antônio
Que estávamos amando
Uma mãe Imaculada
Ele deu-nos por penitência
Que fôssemos continuando
Pois ele também a amava.

Felizes feito crianças
Fomos orar depressa
Na capelinha de melão
Esperava-nos na porta
Com os braços cheios de rosas
O querido São João

Corremos atrás de São Pedro
(que não fugia com a noiva!)
Que estava no rio a pescar
Pedimos que viesse com a gente
Sem demora e bem contente
Esta festa celebrar

Sandra Medina Costa

sábado, 26 de junho de 2010

Halo lunar



Arco-íris na noite
em volta da lua cheia.

Não se esconde sob a mesa
a luz de uma candeia.

A luz de meus olhos viram
no alto, no céu, qual candeia,
claridade que seduz:
o halo da lua cheia.

Não se esconde sob a mesa
a luz de uma candeia.

Sandra Medina Costa

[Imagem da web]

domingo, 6 de junho de 2010

O amor é uma ilusão


Eu te amo tanto
Quanto eu te amo,
Porque o amor não tem canto.


Laura - 4º ano

[imagem da web]

terça-feira, 4 de maio de 2010

segunda-feira, 3 de maio de 2010

ALELUIA


03 de maio
Louva ao Senhor!
É mês de Maria
Louva ao Senhor!
Sinônimo de alegria
Louva ao Senhor!
É o mês de Aleluia
Louva ao Senhor!
Que Deus a cubra de bênçãos e lhe mostre sempre sua face serena, seus olhos mansos.
Feliz Aniversário!

Sandra.

[imagem da web]

domingo, 2 de maio de 2010

Meu domingo de hoje


Dormi bem, sonhei demais, sonhos malucos. Acordei muito bem. Isso foi bom.
Fiz café. Meu filho comprou pão e bolo. Tomamos junto o café da manhã. Rimos, brincamos. Isso foi muito bom.
Meu filho foi arrumnou-se, foi à missa do meio-dia, foi ao cinema, distraiu-se. Isso foi muito bom.
Eu assisti ao show da Banda Catedral. Isso foi muito bom.
Arrumei a cozinha, lavei as vasilhas, vi um copo quebrado. Isso também foi muito bom.
Ligaram-me e convidaram-me para um almoço especial, comida boa. Fui. Encontrei irmãs, sobrinhos, amigos. Ri, conversei, brinquei. Consequentemente, alimentei minha alma. Isso foi muito bom.
Tive um encontro infeliz. Aborreci-me com meu irmão que estava bêbado. Isso estragou tudo. Jogou por terra toda a alegria do dia. Chorei. Doeu-me a cabeça, os braços... Isso foi muito ruim. Optei por afastar-me, voltar para casa.
Conversei com meu filho. Orei. Rezei por mim e pela minha família. Agradeci a Deus pelas bênçãos, graça, luz, força, por toda a aprendizagem do dia. Que Ele instrua-nos no caminho que devemos andar e que retire de mim toda tristeza que teime em se instalar em meu coração. Que Ele abençoe fortemente o meu irmão.
Estou bem. Espero uma noite de sono saudável e tranquilo e que eu acorde feliz e bem-disposta amanhã.

sábado, 1 de maio de 2010

Idade



Qual seria a sua idade se você não soubesse quantos anos você tem?

Confúcio

sexta-feira, 30 de abril de 2010

As três folhinhas


As três folhinhas
Do coqueirinho
Tremulam
Serelepes
Enquanto o vento sapeca
Passa por elas
Inundando o corredor de alegria
É a mesma coisa
Todo dia

Sandra Medina Costa

[imagem da web]

quarta-feira, 21 de abril de 2010

Todos somos chamados


“Todos somos chamados a multiplicar os Valores de Deus em nossas mãos, porque, onde estivermos, somos todos nós de Deus, dentro da Vida e do Universo, aprendendo, pouco a pouco, a refletir Deus, criando o bem que é a luz permanente da Vida, em favor de nós mesmos. Sigamos adiante. E conservemos a certeza de que unicamente pela Ação do Bem de Todos conseguiremos traçar a senda para o Mais Alto, onde a Luz Divina nos reunirá e abençoará para sempre.” (Francisco C. Xavier)

[imagem da web]

sexta-feira, 2 de abril de 2010

Fonte de bondade


A própria bondade, por natureza, é Deus. E não foi por outro motivo que Ele criou a vida humana. Nada é comparável à bondade. É preciso alicerçá-la com sentimentos nobres para iluminar a vida. Ao tomar uma atitude importante use de sua inteligência e de seu conhecimento, mas não se esqueça de consultar o seu coração. Só assim você estará caminhando rumo à felicidade. Com o uso da inteligência adquirimos as alegrias que o mundo pode nos oferecer, mas só com a bondade conquistamos as alegrias verdadeiras e o conforto espiritual. Seja bondoso com os outros, seguindo a misericórdia e a doçura do Coração de Jesus. Acima de tudo, não se esqueça de que a suprema sabedoria é a bondade.

Pe. Antônio Francisco Bohn - Luís Alves/SC - Folhinha do Sagrado Coração de Jesus
[imagem da web]

domingo, 28 de março de 2010

Quem parte com o parto?


Quem
parte
com
o
parto?

Parte a menina sapeca
que brincava de boneca
e sonhava em virar gente grande.

Parte a moça namoradeira,
despreocupada, faceira,
que olhava a infância já longe.

Parte a mulher amante
que, agora, "gente grande",
tem nos braços sua infância.

Sandra Medina Costa

[imagem da web]

domingo, 21 de março de 2010

Senha


Cenho franzido,
Punhos fechados,
Coração cerzido,
Ouvidos tapados.

A moça que passa,
olha e sorri.
E ele a vê nua.

Cenho franzido.
Senha, sorriso.
E ele flutua.

Sandra Medina Costa

[imagem da web]

sexta-feira, 19 de março de 2010

Pés que doem


Já há muito
nossos pés não andam juntos
e aqueles pezinhos de outrora,
agora,
já caminham sozinhos.
Nós vamos a passos lentos,
pés que doem,
que não se aguentam.
Porque não andam mais juntos
agora mancam,
cada qual no seu rumo.
Anjos de uma só asa
que agora estão quebradas.
As nossas estavam nos pés.

Sandra Medina Costa

[imagem da web]

segunda-feira, 15 de março de 2010

Estação da vida


"Cada estação da vida é uma edição, que corrige a anterior, e que será corrigida também, até a edição definitiva, que o editor dá de graça aos vermes"
(Machado de Assis)

[imagem da web]

segunda-feira, 8 de março de 2010

Céu de outono


O céu de outono
na tardezinha
traz a saudade só minha.

Sandra Medina Costa

[imagem da web]

quarta-feira, 3 de março de 2010

Jambo


Cadê o pé de jambo que me fez morena?
Passei e eis que desaparecera...
Tiraram um pedaço da infância minha.

Sandra Medina Costa

[imagem da web]

segunda-feira, 1 de março de 2010

Dia de vivência



A loja de Deus

Entrei e vi um Anjo no balcão. Maravilhado, disse-lhe:
- Santo Anjo do Senhor, o que vendes?
Respondeu-me:
- Todos os dons de Deus.
Perguntei:
- Custa muito?
Respondeu-me:
- Não, é tudo de graça.
Contemplei a loja e vi jarros com sabedoria, vidros com fé, pacotes com esperança, caixinhas com salvação, potes com amor. Tomei coragem e pedi:
- Por favor, Santo Anjo, quero muito amor, todo o perdão, um vidro de fé, bastante felicidade e salvação eterna para mim e para minha família também.
Então o Anjo do Senhor preparou-me um pequeno embrulho, tão pequeno, que cabia na palma da minha mão. Maravilhado, mais uma vez, disse-lhe:
- É possível tudo estar aqui?
O Anjo respondeu-me sorrindo:
- Meu querido irmão, na loja de Deus não vendemos frutos. Apenas sementes.

[Distribuição de sementes de girassol]

São Lucas, 8 – Parábola do Semeador
Havia se reunido uma grande multidão: eram pessoas vindas de várias cidades para junto dele. Ele lhes disse esta parábola:
Saiu o semeador a semear a sua semente. E ao semear, parte da semente caiu à beira do caminho; foi pisada, e as aves do céu a comeram.
Outra caiu no pedregulho; e, tendo nascido, secou, por falta de umidade.
Outra caiu entre os espinhos; cresceram com ela os espinhos, e sufocaram-na.
Outra, porém, caiu em terra boa; tendo crescido, produziu fruto cem por um. Dito isto, Jesus acrescentou alteando a voz: Quem tem ouvidos para ouvir, ouça!
Os seus discípulos perguntaram-lhe a significação desta parábola.
Ele respondeu: A vós é concedido conhecer os mistérios do Reino de Deus, mas aos outros se lhes fala por parábolas; de forma que vendo não vejam, e ouvindo não entendam.
Eis o que significa esta parábola: a semente é a palavra de Deus.
Os que estão à beira do caminho são aqueles que ouvem; mas depois vem o demônio e lhes tira a palavra do coração, para que não creiam nem se salvem.
Aqueles que a recebem em solo pedregoso são os ouvintes da palavra de Deus que a acolhem com alegria; mas não têm raiz, porque crêem até certo tempo, e na hora da provação a abandonam.
A que caiu entre os espinhos, estes são os que ouvem a palavra, mas prosseguindo o caminho, são sufocados pelos cuidados, riquezas e prazeres da vida, e assim os seus frutos não amadurecem.
A que caiu na terra boa são os que ouvem a palavra com coração reto e bom, retêm-na e dão fruto pela perseverança.


1º momento - Quais sementes eu tenho para semear?
- Confiança mútua / crescimento interior / Fé
- Perdão / União / Fé
- Otimismo / Confiança / Respeito / Fé

Como cuidar das sementes que quero semear?
Cuidando de mim mesma, primeiramente, para então cuidar das sementes que quero semear.

Que elementos são necessários para a germinação das minhas sementes, na missão de educador?
Persistência e confiança.

Que tipo de “terra” eu sou?
Pedra, espinhos... terra fértil.

Quais “inimigos” têm tirado a palavra de Deus da minha vida?
Sobrecarga de tarefas, desunião, incompreensão, cansaço.

Quais são as preocupações da vida que têm me sufocado?
Educação, criação e formação de meu filho; saúde física, mental e espiritual da família.

Jeremias, 1 – Vocação de Jeremias
Foi-me dirigida nestes termos a palavra do Senhor:
Antes que no seio fosses formado, eu já te conhecia; antes de teu nascimento, eu já te havia consagrado, e te havia designado profeta das nações.
E eu respondi: Ah! Senhor JAVÉ, eu nem sei falar, pois que sou apenas uma criança.
Replicou porém o Senhor: Não digas: Sou apenas uma criança: porquanto irás procurar todos aqueles aos quais te enviar, e a eles dirás o que eu te ordenar.
Não deverás temê-los porque estarei contigo para livrar-te - oráculo do Senhor.
E o Senhor, estendendo em seguida a sua mão, tocou-me na boca. E assim me falou: Eis que coloco minhas palavras nos teus lábios.
Vê: dou-te hoje poder sobre as nações e sobre os reinos para arrancares e demolires, para arruinares e destruíres, para edificares e plantares
.

Mística e missão do educador
- O que é ocupar um lugar? E o que é existir num lugar?
- Ter algo mais além da competência, do técnico,... existir.
- Qual é a minha missão, minha mística? Meu papel, minha vocação?

2º momento
Você se sente conhecido(a), amado(a) e enviado(a) por Deus?
Sim, sinto-me conhecida, amada e enviada por Deus.

Você tem resistências, medos?
Sofrimento por antecipação dado a inseguranças; medo de não alcançar meus sonhos, meus objetivos... Resistências (ou seriam dificuldades?) para o perdão...

Que palavras de Deus lhe ajudam a superar seus temores?
- “O Senhor é minha luz, o meu caminho, minha força, a rocha em que me abrigo.”
- “A lei do meu Deus está em meu coração. Os meus passos não resvalarão.”
- “Entrega o teu caminho ao Senhor. E o mais Ele fará.”
- “Vivifica-me, Senhor, segundo a tua bondade... a tua misericórdia, teus juízos, tua justiça...”

Deus o(a) está enviando para quê?
Tenho a sensação de ser enviada para levar aos outros a alegria, despertar a confiança, a autoconfiança e autoestima, a ajudar na busca da interiorização, a fortalecer o outro, a contribuir para um clima de paz, otimismo, sucesso, confiança, etc. Quando isso não acontece, ou se acontece ao contrário, sinto-me completamente perdida, frustrada, confusa, angustiada, incapaz.
Não posso esquecer da humildade. Quando esqueço, sofro muito.

3º momento - Escreva seu Salmo da Vida!

Luz divina,
Luz maior
Que a tudo ilumina:

Permiti que somente o amor
Emane do meu coração,
Livrando-me de toda dor.


Dia de Vivência - Retiro espiritual Casa de Retiros São José - Bairro Dom Cabral – Belo Horizonte - 06 de março de 1999.
[imagem da web]

domingo, 28 de fevereiro de 2010

quarta-feira, 24 de fevereiro de 2010

Hoje à tardinha



Hoje à tardinha
em meu céu de baunilha
o sol que se punha
mostrava-me a trilha
que a branca lua
percorria seminua
em meio a rabiscos
de nuvens e luz.

Hoje à tardinha
o meu céu de aquarela
limpava-me os olhos
e a alma tão bela
sorria feliz
sentia o outono
brilhante e apressado
chegar por um triz.

Sandra Medina Costa

[imagem da web - Monet]

domingo, 21 de fevereiro de 2010

quarta-feira, 17 de fevereiro de 2010

Início da Quaresma


Início da Quaresma e da Campanha da Fraternidade, tempo de penitência e conversão.
Campanha da Fraternidade Ecumênica 2010 - Tema: "Economia e Vida". Lema: "Vocês não podem servir a Deus e ao dinheiro" (Mc 6,24c).

[imagem da web]

quarta-feira, 10 de fevereiro de 2010

O outro


A verdade dói,
mas não mata.
Costuma demorar,
é abstrata.
Um incômodo pungente.

Situações cruéis
descobertas
revelando amizades
incertas...
“Quem é este à minha frente?”

Sandra Medina Costa

[imagem da web]

segunda-feira, 8 de fevereiro de 2010

A história de uma folha



Leo Buscaglia

Era uma vez uma folha, que crescera muito.
A parte intermediária era larga e forte, as cinco pontas eram firmes e afiladas.
Surgira na primavera, como um pequeno broto num galho grande, perto do topo de uma árvore alta.
A Folha estava cercada por centenas de outras folhas, iguais a ela. Ou pelo menos assim parecia. Mas não demorou muito para que descobrisse que não havia duas folhas iguais, apesar de estarem na mesma árvore. Alfredo era a folha mais próxima. Mário era a folha à sua direita. Clara era a linda folha por cima. Todos haviam crescido juntos. Aprenderam a dançar à brisa da primavera, esquentar indolentemente ao sol do verão, a se lavar na chuva fresca.
Mas Daniel era seu melhor amigo. Era a folha maior no galho e parecia que estava lá antes de qualquer outra. A Folha achava que Daniel era também o mais sábio. Foi Daniel quem lhe contou que eram parte de uma árvore. Foi Daniel quem explicou que estavam crescendo num parque público. Foi Daniel quem revelou que a árvore tinha raízes fortes, escondidas na terra lá embaixo. Foi Daniel quem falou dos passarinhos que vinham pousar no galho e cantar pela manhã. Foi Daniel quem contou sobre o sol, a lua, as estrelas e as estações.
Fred adorava ser uma folha. Amava o seu galho, os amigos, o seu lugar bem alto no céu, o vento que o sacudia, os raios do sol que o esquentavam, a lua que o cobria de sombras suaves.
O verão fora excepcionalmente ameno. Os dias quentes e compridos eram agradáveis, as noites suaves eram serenas e povoadas por sonhos.
Muitas pessoas foram ao parque naquele verão. E sentavam sob as árvores. Daniel contou à Folha que proporcionar sombra era um dos propósitos das árvores.
- O que é um propósito? - perguntou a Folha.
- Um razão para existir - respondeu Daniel. - Tornar as coisas mais agradáveis para os outros é uma razão para existir. Proporcionar sombra aos velhinhos que procuram escapar do calor de suas casas é uma razão para existir.
A Folha tinha um encanto todo especial pelos velhinhos. Sentavam em silêncio na relva fresca, mal se mexiam. E quando conversavam eram aos sussurros, sobre os tempos passados.
As crianças também eram divertidas, embora às vezes abrissem buracos na casa da árvore ou esculpissem seus nomes. Mesmo assim, era divertido observar as crianças. Mas o verão da Folha não demorou a passar.
E chegou ao fim numa noite de outubro. A Folha nunca sentira tanto frio. Todas as outras folhas estremeceram com o frio. Ficaram todas cobertas por uma camada fina de branco, que num instante se derreteu e deixou-as encharcadas de orvalho, faiscando ao sol..
Mais uma vez, foi Daniel quem explicou que haviam experimentado a primeira geada, o sinal que era outono e que o inverno viria em breve.
Quase que imediatamente, toda a árvore, mais do que isso, todo o parque, se transformou num esplendor de cores. Quase não restava qualquer folha verde. Alfredo se tornou um amarelo intenso. Mário adquiriu um laranja brilhante. Clara virou um vermelho ardente. Daniel estava púrpura. E a Folha ficou vermelha, dourada e azul. Todos estavam lindos. A Folha e seus amigos converteram a árvore num arco-íris.
- Por que ficamos com cores diferentes, se estamos na mesma árvore? - perguntou a Folha.
- Cada um de nós é diferente. Tivemos experiências diferentes. Recebemos o sol de maneira diferente. Projetamos a sombra de maneira diferente. Por que não teríamos cores diferentes?
Foi Daniel, como sempre, quem falou. E Daniel contou ainda que aquela estação maravilhosa se chamava outono.
E um dia aconteceu uma coisa estranha. A mesma brisa que, no passado, os fazia dançar começou a empurrar e puxar suas hastes, quase como se estivesse zangada. Isso fez com que algumas folhas fossem arrancadas de seus galhos e levadas pela brisa, reviradas pelo ar, antes de caírem suavemente ao solo.
Todas as folhas ficaram assustadas.
- O que está acontecendo? - perguntaram umas às outras, aos sussurros.
- É isso que acontece no outono - explicou Daniel - É o momento em que as folhas mudam de casa. Algumas pessoas chamam isso de morrer.
- E todos nós vamos morrer? - perguntou Folha.
- Vamos sim - respondeu Daniel - Tudo morre. Grande ou pequeno, fraco ou forte, tudo morre. Primeiro cumprimos a nossa missão. Experimentamos o sol e a lua, o vento e a chuva. Aprendemos a dançar e a rir. E, depois morremos.
- Eu não vou morrer! - exclamou Folha, com determinação - Você vai, Daniel?
- Vou sim... Quando chegar meu momento.
- E quando será isso???
- Ninguém sabe com certeza. - respondeu Daniel
A Folha notou que as outras folhas continuavam a cair.E pensou: "Deve ser o momento delas." Ela viu que algumas folhas reagiam ao vento, outras simplesmente se entregavam e caíam suavemente.
Não demorou muito para que a árvore estivesse quase despida.
- Tenho medo de morrer. - disse Folha a Daniel - Não sei o que tem lá embaixo.
- Todos temos medo do que não conhecemos. Isso é natural. - disse Daniel para animá-la - Mas você não teve medo quando a primavera se transformou em verão. E também não teve medo quando o verão se transformou em outono. Eram mudanças naturais. Por que deveria estar com medo da estação da morte?
- A árvore também morre? – perguntou. - Para onde vamos quando morrermos?
- Ninguém sabe com certeza... É o grande mistério.
- Voltaremos na primavera?
- Talvez não, mas a Vida voltará.
- Então qual é a razão para tudo isso? - insistiu a Folha - Por que viemos pra cá, se no fim teríamos de cair e morrer?
Daniel respondeu no seu jeito calmo de sempre:
- Pelo sol e pela lua. Pelos tempos felizes que passamos juntos. Pela sombra, pelos velhinhos, pelas crianças. Pelas cores do outono, pelas estações. Não é razão suficiente?
Ao final daquela tarde, na claridade dourada do crepúsculo, Daniel se foi. E caiu a flutuar. Parecia sorrir enquanto caía.
- Adeus por enquanto. - disse ele à Folha.
E depois, Folha ficou sozinha, a única folha que restava no galho.
A primeira neve caiu na manhã seguinte. Era macia, branca e suave. Mas era muito fria. Quase não houve sol naquele dia... E foi um dia muito curto. A Folha se descobriu a perder a cor, a ficar cada vez mais frágil. Havia sempre frio e a neve passava sobre ela.
E quando amanheceu veio vento que arrancou a Folha de seu galho. Não doeu. Ela sentiu que flutuava no ar, muito serena.
E, enquanto caía, ela viu a árvore inteira pela primeira vez.
Como era forte e firme! Teve a certeza de que a árvore viveria por muito tempo, compreendeu que fora parte de sua vida. E isso deixou-a orgulhosa.
A Folha pousou num monte de neve. Estava macio, até mesmo aconchegante. Naquela nova posição, Folha estava mais confortável do que jamais se sentira. Ela fechou os olhos e adormeceu. Não sabia que a primavera se seguiria ao inverno, que a neve se derreteria e viraria água. Não sabia que a folha que fora, seca e aparentemente inútil, se juntaria com a água e serviria para tornar a árvore mais forte. E, principalmente, não sabia que ali, na árvore e no solo, já havia planos para novas folhas de primavera.

[imagem da web]

quarta-feira, 3 de fevereiro de 2010

Lápis



Lápis
lapiseira
cor grafite
grafite na cor
preto-cinza
cinza-escuro
quebra a ponta
a mão bruta
pesada
que não dá conta
do escrever suave
já nem sabe
o que é lápis
lapiseira
com ponteira
de grafite
e a mão insiste
em escrever.

Sandra Medina Costa

[imagem da web]

terça-feira, 2 de fevereiro de 2010

Sacolas plásticas



Nos ciclos de minha vida
reciclo conhecimento,
reciclo sabedoria,
em puro entretenimento:
natureza e terapia.

Na minha primeira lição
de respeito à Natureza,
encontrei simplicidade
mesclada à força e beleza.
Vovozinha nos pedia
saquinhos de leite vazios.
Lavava-os, cortava-os em tiras,
tecia pontos macios.
Daí a pouco surgiam
sacolas fortes, resistentes,
que encantavam tanto a gente
e todo mundo uma queria.

No final de mais um ciclo,
lembrei-me da antiga lição.
Cortei sacolinhas plásticas
e pus-me a tecer, então.

Minhas mãos seguem frenéticas
tecendo sacolas a fio.
Tecem sonhos, reciclam a vida
num emaranhado vazio.

Sandra Medina Costa

[imagem: www.viver-sustentavel.blogspot.com]

domingo, 31 de janeiro de 2010

No fundo do mar



─ Mãe, quero catar conchinhas!
─ Não dá, filhinho, a praia tá longe...
─ Mas eu quero, mãe! – insistiu o garoto, já se impondo.
As férias na praia haviam sido ótimas. Os filhos se divertiram tanto, tanto, que desde que retornaram, aquilo que o caçula agora mais pedia era para catar conchinhas.
Diante da insistência do garoto, a mãe se lembrou do pote grande de conchinhas que trouxera na volta. Queria fazer trabalhos de artesanato, mas a situação agora exigia uma mudança de planos.
Assim, chamou os garotos e despejou no quintal todo o seu tesouro: centenas de conchinhas das mais variadas formas, cores, tamanhos. Aquilo era bom! Os meninos se distraíam durante horas a fio na brincadeira.
Passada uma semana, aquela rotina parecia ter aguçado a curiosidade dos pequeninos, especialmente do caçula que, volta e meia, queria porque queria saber tudo sobre conchinhas e enchia a mãe de perguntas.
─ Por que elas ficam na areia, mãe? Elas gostam do sol? Tem que passar protetor? Quem colocou elas lá? Cadê a mãe delas, a Dona Concha? E o pai? É o “Seu” Concho?
─ Tá bom, meu filho, vou contar a história das conchinhas!
─ Ebaaaaa!!!
─ Era uma vez... a Dona Concha e Seu Concho. Eles moravam no fundo do mar e tinham muitos filhinhos: milhões e milhões de conchinhas.
─ Elas nadavam, mãe? Não se afogavam?
─ Não, filho, não! Deixe-me continuar.
No canto da sala, o pai sorria... Adorava ver a paciência e a imaginação da esposa ao contar histórias para as crianças!
─ O Seu Concho tinha uma linda fazenda, onde criava cavalos-marinhos, peixinhos coloridos, tartaruguinhas, caranguejos, estrelinhas-do-mar...
─ Os cavalorinhos eram brancos? Tinha cabelo loiro, mãe?
─ Cavalo-marinho, filho, marinho! – Que é que eu falo? – pensou.
Resolveu continuar a história.
─ Meu amorzinho, os cavalos-marinhos são lindos, cada um de uma cor. Deixe a mamãe contar a história agora.
─ Tá.
─ As conchinhas viviam felizes na fazenda do fundo do mar, brincavam e corriam muito. Certa vez, entrou um grão de areia na boca da conchinha Luzia, a filha mais alegre e sapeca de Dona Concha. E Luzia ficou muda durante semanas. Numa linda manhã, ela abriu a boca e...
─ Mãe, tô com fome! – gritou o mais velho cobrando atenção.
─ Já vou, filho! Ô, Pai, prepara um lanchinho pa gente! – disse a mãe para o marido.
─ E a Luzia, mãe?
─ Quando a Luzia abriu a boca, tcharaaammmm! Todos disseram: “Ooohhhh!!!!!” Havia uma linda e reluzente pérola lá dentro! Todo mundo ficou encantado!
─ E depois?
─ As conchinhas resolveram, então, procurar algum lugar mágico onde houvesse mais areia. Subiram nos cavalos-marinhos e cavalgaram mar afora, numa longa viagem, até chegarem à praia. Foi sensacional! Decidiram morar ali e viveram felizes para sempre!
─ E os cavalorinhos?
(...)


Sandra Medina Costa

[imagem da web]

sexta-feira, 29 de janeiro de 2010

Coloque a grama



Que coisa mais sem sentido é a mágoa. Ela nos amarra a alguém da maneira dolorida, alimenta nossos pensamentos de tristeza e não nos deixa olhar para a vida de maneira plena. Limita nossas sensações de felicidade e atrapalha quando caminhamos em direção ao crescimento pessoal. Enquanto isso, o autor da mágoa pode nem ao menos imaginar o tamanho do nosso ressentimento...
A melhor coisa a fazer quando a mágoa nos assalta é nos concentrar em algo bom. Procurar o esquecimento do assunto, voltar sua atenção para seus objetivos de vencer. Enterre a mágoa. Tente cavar mentalmente um buraco bem grande, tire bastante terra para que ele fique bem fundo. Deposite ali dentro a mágoa que está lhe ferindo. Jogue depressa a terra por cima. Sobre a terra coloque a grama, e sobre esta, lindas rosas brancas. Depois vá embora.
Não esqueça que o perdão ajuda em tudo. Embora seja difícil de praticar, o perdão alivia. É claro que o perdão mexe com o amor e o orgulho. Envolve sofrimento. Porém, isso tende a diminuir. O perdão é difícil porque quando você perdoa está dizendo à outra pessoa: "Você não precisa me compensar pelo que fez." Você está liberando a pessoa e dando um passo em direção ao amor ao invés de fomentar ressentimentos. H. Norman Wright, em Começando Juntos (ed. United Press) diz, sabiamente, que quando você perdoa não sente necessidade de discutir novamente o problema, não acredita que ele volte a acontecer e nem dá mais importância ao assunto! Você está livre!
Em Mananciais do Deserto (ed. Betânia), excelente livro de meditação, há a seguinte mensagem: "Os obstáculos deveriam fazer-nos cantar. O vento canta, não quando está atravessando a amplidão do mares, mas quando encontra o obstáculo dos braços das árvores ou quando é quebrado pelas finas cordas de uma harpa eólica. Então ele canta, com poder e beleza. Libertemos nossa alma para cruzar os obstáculos da vida, as sombrias florestas da dor ou até mesmo os pequenos embaraços ou aborrecimentos que o próprio amor oferece, e ela também cantará."
(Desconheço a autoria)

[imagem da web]

quarta-feira, 27 de janeiro de 2010

Flor


[fonte: web]

segunda-feira, 25 de janeiro de 2010

O terceiro único filho

O meu amor foi tão grande,
que precisei dividi-lo
para não sufocar meu terceiro único filho.

Sandra Medina Costa

[imagem da web]

quarta-feira, 20 de janeiro de 2010

segunda-feira, 18 de janeiro de 2010

O essencial é invisível para os olhos



Andando, o principezinho encontrou um jardim cheio de rosas.
Contemplou-as.. eram todas iguais à sua flor.
E deitado na relva, ele chorou...
E foi então que apareceu a raposa.
- Vem brincar comigo, propôs o principezinho. Estou tão triste...
- Eu não posso brincar contigo, disse a raposa. Não me cativaram ainda.
- Que quer dizer "cativar" ?
- É uma coisa muito esquecida. Significa criar laços... Tu não és ainda para mim senão um garoto inteiramente igual a cem mil outros garotos. Eu não tenho necessidade de ti e tu não tens necessidade de mim. Não passo a teus olhos de uma raposa igual a cem mil outras raposas. Mas se tu me cativas, teremos necessidade um do outro. Serás para mim, único no mundo. E eu serei para ti, única no mundo. Minha vida será como que cheia de sol. Conhecerei um barulho de passos que será diferente dos outros. O teu passo me chamará para fora da toca, como se fosse música. A gente só conhece bem as coisas que cativou.
- Que é preciso fazer? perguntou o principezinho.
- É preciso ser paciente. Tu te sentarás primeiro um pouco longe de mim. Eu te olharei com o canto do olho e tu não dirás nada. A linguagem é uma fonte de mal - entendidos. Cada dia te sentarás mais perto...Se tu vens por exemplo, às quatro da tarde, desde às três, eu começarei a ser feliz. Quanto mais a hora for chegando, mais eu me sentirei feliz. Às quatro horas, então, estarei inquieta e agitada: descobrirei o preço da felicidade!
Assim o principezinho cativou a raposa. Mas, quando chegou a hora da
partida a raposa disse:
- Ah! Eu vou chorar...a gente corre o risco de chorar um pouco, quando se deixou cativar.
E acrescentou:
- Vai rever as rosas. Tu compreenderás que a tua é a única no mundo. É simples, o segredo: só se vê bem com o coração. O essencial é invisível para os olhos. Foi o tempo que perdeste com tua rosa, que fez tua rosa tão importante. Tu te tornas eternamente responsável por aquilo que cativas. Tu és responsável pela tua rosa...
- O essencial é invisível para os olhos, repetiu o principezinho, a fim de se lembrar...
"Os homens do teu planeta, disse o principezinho, cultivam cinco mil rosas num mesmo jardim...e nunca encontram o que procuram...E no entanto, o que eles buscam poderia ser achado numa só rosa, ou num pouquinho d'água... Mas os olhos são cegos. É preciso buscar com o coração..."
Antoine De Saint- Exupéry

[imagem da web]

domingo, 17 de janeiro de 2010

sábado, 16 de janeiro de 2010

Amigos (Oscar Wilde)



“Escolho meus amigos não pela pele ou outro arquétipo qualquer, mas pela pupila. Tem que ter brilho questionador e tonalidade inquietante.
A mim não interessam os bons de espírito nem os maus de hábitos. Fico com aqueles que fazem de mim louco e santo. Deles não quero resposta, quero meu avesso. Que me tragam dúvidas e angústias e aguentem o que há de pior em mim. Para isso, só sendo louco.
Quero os santos, para que não duvidem das diferenças e peçam perdão pelas injustiças. Escolho meus amigos pela cara lavada e pela alma exposta. Não quero só o ombro ou o colo, quero também sua maior alegria.
Amigo que não ri junto não sabe sofrer junto. Meus amigos são todos assim: metade bobeira, metade seriedade. Não quero risos previsíveis nem choros piedosos. Quero amigos sérios, daqueles que fazem da realidade sua fonte de aprendizagem, mas lutam para que a fantasia não desapareça.
Não quero amigos adultos nem chatos. Quero-os metade infância e outra metade velhice! Crianças, para que não esqueçam o valor do vento no rosto; e velhos, para que nunca tenham pressa.
Tenho amigos para saber quem eu sou. Pois os vendo loucos e santos, bobos e sérios, crianças e velhos, nunca me esquecerei de que normalidade é uma ilusão imbecil e estéril.”

Oscar Wilde

[imagem da web]

sexta-feira, 15 de janeiro de 2010

Afetos e desafetos



Os afetos me afetam.
Os desafetos também.
Sentimentos me despertam
E interrogam "Sou quem?".

Alguém numa constante busca
De equilíbrio interno e amor.
Que ora, trabalha e luta,
E a lição sabe de cor:

Orar pelos desafetos,
Ainda que sem vontade,
É gesto de caridade.

Torna-los-ão seus afetos
E um ser humano liberto
Você será de verdade.

Sandra Medina Costa

[imagem reflejosdeluz.net]

quinta-feira, 14 de janeiro de 2010

quarta-feira, 13 de janeiro de 2010

Cadeado com segredo



A vida é como aqueles cadeados com segredos - aqueles com uma espécie de cilindro contendo tirinhas com números que devem ser posicionados numa única e determinada sequência numérica para que o cadeado seja aberto.
A gente vai levando a vida tão destrambelhadamente, tão alheio a tudo, que acaba acontecendo o óbvio: travamos o cadeado! E o que é pior: desconhecemos o segredo, pois este é específico para cada indivíduo.
Há pessoas que vivem de tal forma travados, que agem como se o próprio cadeado devesse ser aberto à força e, de preferência, por eles mesmos. Isso não acontece. E seguem mundo afora travando também cadeados alheios.
Vez por outra, surge a Mão lá de cima e - generosidade divina - coloca os números na ordem correta e o cadeado, ora por nós travado, volta a se abrir. É nesse momento que a vida flui serena, mansa...
O bom disso tudo é que se pode escolher, pode-se a qualquer momento acreditar e afirmar: "Confio e navego tranquilo no mar infinito de Paz, que é Deus".

Sandra Medina Costa

[imagem da web]

terça-feira, 12 de janeiro de 2010

Celebração do instante



Cairo Trindade

hoje é sempre melhor do que ontem, porque hoje é hoje,
esta coisa mágica, única, surpreendente, que se acaba
de repente.

hoje é melhor do que amanhã, porque hoje é hoje
e estamos vivos e plenos de tanto, até não se sabe
como e quando.

hoje é sempre melhor que sempre, porque o hoje foge,
o amanhã é um mistério e o ontem é só memória, história,
já era.

hoje é sempre o maior presente, porque a vida é agora,
esta hora de som e luz e festa, e este instante é tudo o
que nos resta.

Fonte: Livro da Tribo 2010

[imagem da web]

segunda-feira, 11 de janeiro de 2010

domingo, 10 de janeiro de 2010

O princípio 90 / 10



Stephen Covey

Que princípio é este? Os 10% da vida estão relacionados com o que se passa com você, os outros 90% da vida estão relacionados com a forma como você reage ao que se passa com você.
O que isto quer dizer? Realmente, nós não temos controle sobre 10% do que nos sucede. Não podemos evitar que o carro enguice, que o avião atrase, que o semáforo fique no vermelho. Mas, você é quem determinará os outros 90%. Como? Com sua reação.
Exemplo: você está tomando o café da manhã com sua família. Sua filha, ao pegar a xícara, deixa o café cair na sua camisa branca de trabalho. Você não tem controle sobre isto. O que acontecerá em seguida será determinado por sua reação.
Então, você se irrita. Repreende severamente sua filha e ela começa a chorar. Você censura sua esposa por ter colocado a xícara muito na beirada da mesa. E tem prosseguimento uma batalha verbal. Contrariado e resmungando, você vai mudar de camisa. Quando volta, encontra sua filha chorando mais ainda e ela acaba perdendo o ônibus para a escola. Sua esposa vai pro trabalho, também contrariada. Você tem de levar sua filha, de carro, pra escola. Como está atrasado, dirige em alta velocidade e é multado. Depois de 15 min. de atraso, uma discussão com o guarda de trânsito e uma multa, vocês chegam à escola, onde sua filha entra, sem se despedir de você. Ao chegar atrasado ao escritório, você percebe que esqueceu de sua maleta. Seu dia começou mal e parece que ficará pior. Você fica ansioso pro dia acabar e quando chega em casa, sua esposa e filha estão de cara fechada, em silêncio e frias com você.
Por quê? Por causa de sua reação ao acontecido no café da manhã. Pense:
por quê seu dia foi péssimo?
A) por causa do café?
B) por causa de sua filha?
C) por causa de sua esposa?
D) por causa da multa de trânsito?
E) por sua causa?
A resposta correta é a E. Você não teve controle sobre o que aconteceu com o café, mas o modo como você reagiu naqueles 5 minutos foi o que deixou seu dia ruim.
O café cai na sua camisa. Sua filha começa a chorar. Então, você diz a ela, gentilmente: "está bem, querida, você só precisa ter mais cuidado". Depois de pegar outra camisa e a pasta executiva, você volta, olha pela janela e vê sua filha pegando o ônibus. Dá um sorriso e ela retribui, dando adeus com a mão.
Notou a diferença? Duas situações iguais, que terminam muito diferente. Por quê? Porque os outros 90% são determinados por sua reação.
Aqui temos um exemplo de como aplicar o Princípio 90/10. Se alguém diz algo negativo sobre você, não leve a sério, não deixe que os comentários negativos te afetem. Reaja apropriadamente e seu dia não ficará arruinado.
Como reagir a alguém que te atrapalha no trânsito? Você fica transtornado? Golpeia o volante? Xinga? Sua pressão sobe? O que acontece se você perder o emprego? Por que perder o sono e ficar tão chateado? Isto não funcionará. Use a energia da preocupação para procurar outro trabalho. Seu vôo está atrasado, vai atrapalhar a sua programação do dia. Por que manifestar frustração com o funcionário do aeroporto? Ele não pode fazer nada. Use seu tempo para estudar, conhecer os outros passageiros.
Estressar-se só piora as coisas.
Agora que você já conhece o Princípio 90/10, utilize-o. Você se surpreenderá com os resultados e não se arrependerá de usá-lo. Milhares de pessoas estão sofrendo de um stress que não vale a pena, sofrimentos, problemas e dores de cabeça. Todos devemos conhecer e praticar o Princípio 90/10.
Pode mudar a sua vida!

[imagem da web]

sábado, 9 de janeiro de 2010