terça-feira, 4 de novembro de 2008

BENDITO TEMPO


Maria-mole
Marcou minha infância.
Adoçou minha vida
Eu ainda criança.
O coco cobria a massa branca e macia,
Enquanto o gosto da vida me levava
a um mundo de gente grande.

Maria-mole
Deu nome a uma prima Maria
Que eu não conhecia,
Mas que um dia desenhei.
Tão feia ficou
Que a surra foi inevitável!
Maria, minha mãe, tomou as dores da Maria, prima,
e me corrigiu com umas boas chineladas.
(Minha primeira lição de caricatura)

Chorei. Óbvio.
Ainda choro as águas que pela vida afloram
n’alma,
e só se calam
diante de uma maria-mole branquinha,
coberta de coco.

Sandra Medina Costa
(imagem da web)

"Tempo!
Bendito tempo
que as dores sempre acalma,
que aquieta as más lembranças,
que preserva a criança
que levo escondida
em minh'alma.”
(desconheço a autoria)

Um comentário:

deia disse...

A minha infância não foi marcada por Maria Mole, mas sim por Marias duras e rispidas mas de coragem de guerreiras, foi marcada por pipas no ar e brincadeiras de meninos que tanto adorava. Maria, tantas Marias surgiram em minha vida.
Maria mãe, Maria avós, Maria sogra, Algumas doces outrar com o amargo da vida, mas sempre Marias.
e você Medina faz parte de algumas Marias